"Uma criança é como o cristal e como a cera. Qualquer choque, por mais brando, a abala e comove, e a faz vibrar de molécula em molécula, de átomo em átomo; e qualquer impressão, boa ou má, nela se grava de modo profundo e indelével." (Olavo Bilac)

"Un bambino è come il cristallo e come la cera. Qualsiasi shock, per quanto morbido sia
lo scuote e lo smuove, vibra di molecola in molecola, di atomo in atomo, e qualsiasi impressione,
buona o cattiva, si registra in lui in modo profondo e indelebile." (Olavo Bilac, giornalista e poeta brasiliano)

domingo, 10 de abril de 2011

Ser adotivo, é essa a questão?

Foto: Google Imagens

Por Paulo Wanzelleer

Há que se ter coerência na vida!
Uma das coisas mais difíceis é a construção de um novo conceito, seja social ou científico no sentido essencialmente pedagógico. Modificar conceitos; criar novos padrões de comportamento; educar as pessoas dá trabalho, são lutas, movimentos sociais, batalhas silenciosas, até mesmo uma revolução ou tragédia pode modificar um conceito ou uma postura. Os fenômenos sociais estão aí mesmo para provar isso, hoje percebemos que o que antes era apenas “tirar onda” “apelidar” “xingar dando risada” ou mesmo um “zoar com o outro”, hoje, chamamos de bullyng; um novo conceito se formou, veio à tona que humilhar o outro é uma forma cruel de agressão que precisa ser estudada, precisa ser esclarecida a ponto de ser realmente percebida ao menor sinal e precisa, principalmente ser coibida. Mas o que é efetivamente o bullyng? Precisa ter ou atingir efetivamente pessoa certa e determinada? Precisa ser concretizada a certa pessoa? ou a indução psicológica também é bullyng? E as ofensas indiretas, aquelas ditas de “soslaio” também se enquadram neste conceito? Ressaltar esta ou aquela característica de uma pessoa de forma negativa generalizando a peculiaridade é bullyng? É aí que está a sutileza do bullyng indireto.

O Brasil perplexo desde ontem, um desequilibrado psicológica e emocionalmente, digno de misericórdia, é autor de uma das mais terríveis tragédias que o Brasil já teve notícia. E, ele, o autor, imaginem, não foi criado pela mãe biológica, diz a imprensa sensacionalista, ele era FILHO ADOTIVO! Ele FOI ADOTADO quando ainda era um bebê!

Quando é para falar de bullyng, de humilhações entre adolescentes a imprensa vibra, rodas de jornalistas, assistentes sociais, psicólogos, pedagogos são formados para discutir sobre o episódio, até aí está tudo certo. O que não se percebe e nem se dá conta é que generalizar, ressaltar a adoção de forma negativa, seja na imprensa, seja na mídia em geral, também é bullyng, e pior, é uma forma de disseminar uma espécie de bullyng social que sutilmente atinge muitas pessoas de forma generalizada, mas com a mesma crueldade que as situações concretamente postas nos exemplos atuais do bullyng.

É incoerente a imprensa dizer que a sociedade brasileira nunca foi tão aberta à adoção; que crescem os números de pais no Cadastro Nacional de Adoção diariamente, reportagens sobre os “abrigos”, crianças à espera de pais, preconceitos de adotantes quanto às características do futuro filho, tudo se fala buscando divinizar a adoção, chego a ver as lágrimas nos olhos de repórteres quando falam de adoção, mas, se um filho por adoção, comete uma barbaridade; pronto! O que a imprensa diz? ELE É ADOTADO, demoniza-se o instituto, sem se importar que, milhares de brasileiros são filhos por adoção e que durante muito tempo serão olhados como “portadores de genes” iguais aos do algoz de Realengo.

Precisamos nos manifestar, precisamos mostrar que os filhos adotados são milhares e que não estão no abismo do desequilíbrio psicológico motivados pelo processo de filiação, se abrirmos os jornais hoje, amanhã ou depois de amanhã, constataremos que crimes bárbaros não são peculiares da filiação adotiva, e que ser filho adotivo não é a força propulsora da indignidade, do desequilíbrio psicológico.
__________

Parabéns, Paulo!


Postado Por Cintia Liana

3 comentários:

Blogat disse...

Isso aí,Cintia!
Preocupei-me imediatamente qdo a questão da adoção de Wellington foi levantada.
Postei, inclusive, comentários a respeito no FB, além de conversas em geral alertando para essa questão do estigma e do pré conceito.
Ma s aprópria mídia deu uma arrefecida no assunto. Foi bom.
Foi bom tb encontrar seu blog.(pesquizando Gonzaguinha, no Google...).
Estou "seguindo".
Abraço grande Maria Alice

Xale disse...

Oi Paulo, concordo com você, acho que a imprenssa divulgou o fato de Welinton ser filho adotivo de um modo preconceituoso, como se todo filho adotivo carregase consigo um codigo genetico descnhecido e que a qualquer momento pode se aflorar, acontecem crimes, tragédias todos os dias, e não são provocdas por filhos adotivos, o rapaz que cometeu a trágia é sim digno de missericordia, como poder julgar e saber todo o sofrimento e preconceito que viveu no decorrer da vida, ele está sendo julgado como um monstro e não como um doente mental... A sociedade tem uma parcela de culpa nesta siatução, muito já se conquistou no terreno da adoção em materia de preconceito mais ainda a sociedade impõe barreiras e regras nos casos dos filhos adotivos, temos a prova disso, a imprenssa divulgando de maneira sesacionalista o fato de ser FILHO ADOTIVO, FOI ADOTADO AINDA BEBE...

Fanzine Episódio Cultural disse...

COMO PARTICIPAR NAS EDIÇÕES DO EPISÓDIO CULTURAL?
O Fanzine Episódio Cultural é um jornal bimestral sem fins lucrativos, distribuído gratuitamente no sul de Minas Gerais, São Paulo (capital), Salvador-BA e Rio de Janeiro. Para participar basta enviar um artigo sobre esporte, moda, sociedade, curiosidades, artesanato, artes plásticas, turismo, biografias, livros, curiosidades, folclore, saúde, Teatro, cinema, revistas, fanzines, música, fotografia, mini contos, poemas, etc.
Contato: Carlos (editor)
(35) 3295-6106
(35) 8833-9255
machadocultural@gmail.com
http://www.fanzineepisodiocultural.blogspot.com
Facebook: http://www.facebook.com/profile.php?id=1464676950&ref=profile
VEJA O FANZINE EPISÓDIO CULTURAL NA FEIRA DO LIVRO DE POÇOS DE CALDAS 2011
http://www.feiradolivropocosdecaldas.com.br/