"Uma criança é como o cristal e como a cera. Qualquer choque, por mais brando, a abala e comove, e a faz vibrar de molécula em molécula, de átomo em átomo; e qualquer impressão, boa ou má, nela se grava de modo profundo e indelével." (Olavo Bilac)

"Un bambino è come il cristallo e come la cera. Qualsiasi shock, per quanto morbido sia
lo scuote e lo smuove, vibra di molecola in molecola, di atomo in atomo, e qualsiasi impressione,
buona o cattiva, si registra in lui in modo profondo e indelebile." (Olavo Bilac, giornalista e poeta brasiliano)

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Mulher faz protesto para adotar filho de amiga

Foto: Google Imagens

IONILDA CUIDOU DA CRIANÇA DESDE QUE ELA NASCEU SEM O CONSENTIMENTO DA JUSTIÇA

Manifestação na Avenida Brasil nesta sexta-feira (22), em frente ao prédio da Vara da Infância e Juventude de Juiz de Fora. O motivo: uma criança dada para adoção.

A mãe Dayane Carla disse que antes de o bebê dela nascer foi à Vara da Infância e manifestou o desejo de dar a criança para adoção. Segundo ela, não chegou a assinar nenhum documento. A menina nasceu e ficou com uma amiga da mãe durante 40 dias.

Depois disso, Ionilda Aparecida Miranda procurou a justiça para legalizar a adoção. Foi quando descobriu que o procedimento estava equivocado. A juíza da Vara da Infância determinou a busca e apreensão da menina que foi entregue provisoriamente à uma família registrada no Cadastro Nacional de Adoção. Agora, a mãe biológica e a amiga lutam para ter de volta a recém nascida. Um inquérito policial foi aberto para investigar o caso.

Publicado em 22/10/2010 às 18:58
Por MGTV Panorama de Juiz de Fora


Para saber mais sobre este tipo de adoção vá até a caixa de pesquisa deste blog e coloque "adoção consensual" ou "Adoção Intuito Personae" e clique em pesquisar.


Postado Por Cintia Liana

2 comentários:

savio disse...

qual sua opniao sobre Mulher faz protesto para adotar filho de amiga ?

Tamiris Miranda disse...

meu nome é Tamiris, e ao ver esta postagem vi que algumas informações não foram enviadas nesta reportagem, Ionilda já havia feito o pedido de adoção antes mesmo da c=bebe nascer, e foi repassado que não poderia dar em adoção uma criança que não havia nascido com vida. Ao nascer tentamos cumprir todos os atos legais estipulados, inclusive com a Dayana fazendo a manifestação da vontade de nos doar a filha uma vez que conosco ela veria a criança, e manteriam-se os laços familiares entre nós.
Tenho outros pontos a abordar, gostaria que se possivel me fosse enviado um e-mail para maiores esclarecimentos do caso