"Uma criança é como o cristal e como a cera. Qualquer choque, por mais brando, a abala e comove, e a faz vibrar de molécula em molécula, de átomo em átomo; e qualquer impressão, boa ou má, nela se grava de modo profundo e indelével." (Olavo Bilac)

"Un bambino è come il cristallo e come la cera. Qualsiasi shock, per quanto morbido sia
lo scuote e lo smuove, vibra di molecola in molecola, di atomo in atomo, e qualsiasi impressione,
buona o cattiva, si registra in lui in modo profondo e indelebile." (Olavo Bilac, giornalista e poeta brasiliano)

domingo, 15 de agosto de 2010

Adotar um filho não é fazer caridade

Foto: Getty Images

Há alguns dias estava explicando a uma amiga que adoção não é caridade, nem quando se adota um adolescente. Era a segunda vez que explicava, talvez porque seja mais comum todos que estão fora deste meio pensarem assim.

Caridade é algo pontual, é quando você não está preocupado em obter nada em troca, você ajuda e ponto, é um comportamento altruísta, onde você sentirá um conforto interno inexplicável por ter sido útil na vida alguém que talvez você nunca mais encontre.

Adotar é para sempre. Ninguém adota para fazer caridade, por mais que se veja a nobreza do ato, pois ajudará uma criança, até então sem família, a ter um futuro digno inserida no seio da sua, que se tornará a dela.

As pessoas adotam para satisfazer o seu desejo de serem pai e mãe, de terem um filho, de aprenderem, ensinarem e passarem por todas as alegrias e dificuldades de uma parentalidade como na biológica, não há diferença, com exceção da existência de uma história pregressa do filho e todas as particularidades que esta possa representar e só. O amor é igual, o apego, a necessidade de proteger e ser protegido, é tudo igual.

Não duvide, adotar não é caridade é amor incondicional, um amor que poucos experimentam.

Cintia Liana


"A adoção transcende a natureza. É um requinte da evolução do ser humano, quando acolhe o diferente do seu próprio gene e ama por amar, e não por obrigação biológica." (Jaime, 2000)


Por Cintia Liana

2 comentários:

Vitória disse...

Muito bunito...
Adoro muito esse assunto: ADOÇÃO...
Acho que quando eu tiver mais maturidade(ou melhor, mais velha, tenho 12 anos) adotarei um lindo bebê!!!
Não terei preconceito nenhum na hora de adotar, porque o que importa é o amor que eu irei sentir por akela criança na hora que eu a vir...

Cintia Liana disse...

Maravilha, Vitória!
Muito bonito tbm é ver alguém de sua idade já com desejos tão belos. Vc parece uma adulta escrevendo. Parabéns!
Um abraço.