"Uma criança é como o cristal e como a cera. Qualquer choque, por mais brando, a abala e comove, e a faz vibrar de molécula em molécula, de átomo em átomo; e qualquer impressão, boa ou má, nela se grava de modo profundo e indelével." (Olavo Bilac)

"Un bambino è come il cristallo e come la cera. Qualsiasi shock, per quanto morbido sia
lo scuote e lo smuove, vibra di molecola in molecola, di atomo in atomo, e qualsiasi impressione,
buona o cattiva, si registra in lui in modo profondo e indelebile." (Olavo Bilac, giornalista e poeta brasiliano)

sábado, 5 de junho de 2010

Trabalho de um Psicólogo na Vara da Infância e Juventude

Foto: Cintia Liana

Após muitas entrevistas, resolvi postar aqui este texto. É para estudantes, profissionais e pais que querem conhecer mais sobre a atuação do Psicólogo Jurídico que atua com adoção é família.
Estas são as possíveis atribuições a um psicólogo que atua numa Vara da Infância e Juventude como perito:

- Avaliar as condições intelectuais, emocionais, relacionais e psíquicas de partes envolvidas em processos judiciais de habilitação para adoção, adoção, guarda, tutela e medidas de proteção;

- Atuar em diversos tipos de processos judiciais, ligados a proteção da criança e do adolescente, como perito, elaborando laudos e pareceres, quando designado;

- Realizar acompanhamento psicológico aos adotantes e às crianças ou adolescentes que estejam em período de convivência à família substituta até a finalização do processo de adoção;

- Realizar acompanhamento psicológico de crianças, adolescentes e/ou famílias que estejam envolvidos em processos judiciais e situação de risco, quando necessário e solicitado;

- Realizar palestras ou grupos de reflexão para habilitação à adoção, adotantes e/ou famílias;

- Realizar visitas, acompanhamento e avaliação psicológica de crianças e adolescentes abrigadas, quando necessário ou quando designado pelo Juiz.

- Participar, quando determinado, de audiências para esclarecer aspectos técnicos em Psicologia;

- Realizar acompanhamento psicológico de adolescentes inseridos em programas ligados a Vara da Infância e Juventude, quando solicitado;

- Realizar visitas domiciliares e/ou visitas institucionais, quando necessário ou designado pelo Juiz;

- Assessorar autoridades judiciais no encaminhamento a práticas psicológicas e médicas específicas, quando necessário;

- Participar de reuniões de equipe para discussão de casos e procedimentos técnicos quando necessário;

- Contribuir para criação de mecanismos que venham agilizar e melhorar a prestação do Serviço;

- Participar da elaboração e execução de programas sócio-educativos destinado a crianças em situação de risco;

- Atuar em pesquisa e programas de prevenção à violência;

- Oferecer supervisão, treinamento e avaliação aos estagiários de Psicologia que prestam serviço a Vara da Infância e da Juventude;


Por Cintia Liana

Livro da Psicóloga Cintia Liana sobre o percurso de construção da família através da adoção e seus aspectos psicológicos
Para comprar ou visualizar:
http://www.agbook.com.br/book/43553--Filhos_da_Esperanca
(2ª Edição - 2012)

9 comentários:

Esther disse...

oi, gostaria de adotar um bebe recem nascido, sou de São paulo, casada a 4 anos, nunca tive filhos e hoje já não posso mais, como faço para encontrar um lugar do brasil que tenha essa criança pra mim, de preferencia menina branca. me chamo Esther (pereirarosa.camargo@gmail.com)

Cintia Liana disse...

Esther vc deve procurar somente a Vara da Infância e Juventude de tua cidade. Faça tudo dentro da tua Vara e eles localizam a criança p vc.
Se por uma caso vc localizar (busca ativa) uma comarca que tenha a criança vc deve avisar a tua vara, assim é fácil e seguro p todos.
Te asseguro que recém nascido não tem. Vc deve se habilitar antes de tudo, pq se não vc não adota, depois vc vai para a fila de esperar por um recém nascido, que é o perfil mais difícil e se espera alguns anos.
Mas tenha fé e se habilite.
Um abraço.

Raymundo disse...

Prezada Cintia,

Bom dia!
Inicialmente parabéns pela qualidade do seu blog, sendo possível gentileza de nos orientarmos na seguinte situação: somos um casal sem filhos, residentes em Salvador e gostaríamos de sabermos como deveremos proceder para participarmos do programa de adoção temporário para o Natal de 2010?
Será que ainda teríamos tempo? quais as principais etapas a serem vencidas?
Um fraternal abraço e muita luz para todos.

Yu disse...

Dra. Cintia,

Parabéns pelo seu trabalho! Também gostaria de agradecê-la, pois algumas dúvidas que eu tinha foram esclarecidas através deste link, o que ajudou-me a dar continuidade em meu trabalho da faculdade.

Abraços e SUCESSOS !!!

Leandro Yukio
Graduando em Direito

Cintia Liana disse...

Leandro, obrigada pela visita. Volte sempre!
Que bom que pude ajudar.
Sucesso p vc tbm!
Um abraço.

Cintia Liana disse...

Caro Raymundo, muito obrigada pelos elogios e pela mensagem carinhosa.
Vc deve entrar em contato com a Vara da Infância e Juventude de Salvador e ver como está hoje em dia o programa Natal em família.
Há algum tempo atrás eles não estavam cadastrando novas famílias acolhedoras pq o MP foi contra ao programa por um tempo (não sei se ainda o é), pq acham que as crianças sofrem com o retorno a instituição.
Tente ligar para lá: 71-3203-9300.
Se participar, me conte depois sua exeperiência.
Eu já acolhi duas crianças na semana da criança em 2006 e foi um exepriência maravilhosa de muitas descobertas sobre o sentimento humano de amor.
Um abraço.

line disse...

olá boa tarde para que vc porca mim ajude meu nome Aline tem 24 anos esta casada a 4 anos e 10 meses em união extravio tem casa própria, não tenho filho porque deus ai não mi deu esta sorte, por isso gostaria muito de adotar uma criança mais na cidade que eu moro não tem cadastros de adoção nacional, não tem previsão de face, só um cadastros o municipal qual eu e um amiga que qual esta na mesma situação só que ela 7 anos de casada em união extravio tem casa própria, ela já engravidou um vez mais foi na is trompa tive um gravidez tubarea(o bebe foi gerado nas trompas).depois de uma hemorragia perdi o bebe e a ela perdeu trompa esquerda mais quais morreu por isso ela no tem um trompa ela já tem 39 anos, ela gostaria muita de adota um criança estamos cadastrada por lei e era do. Gostaria que vc mim desse uma luz sobre este assunto mim ajuda desse de já muito agradecida.

Cintia Liana disse...

Line, entendo a situação.
Olha, se vc está habilitada então sua habilitação vale p todo o País. Vc pede ao Juiz uma cópia de sua habilitação e pode encaminhá-la a outra Vara da Infância que disponibilize mais crianças para adoção. Converse com a assitende social de onde vc está habilitada. Mas não esqueça que a espera é necessária a depender principalmente da idade da criança que se deseja adotar.
Um abraço e boa sorte!

LUZI disse...

Cíntia parabéns, tenha certeza que contribuiu muito compartilhando um pouco do seu trabalho conosco, Luzeneide Garcia- psicóloga clínica