"Uma criança é como o cristal e como a cera. Qualquer choque, por mais brando, a abala e comove, e a faz vibrar de molécula em molécula, de átomo em átomo; e qualquer impressão, boa ou má, nela se grava de modo profundo e indelével." (Olavo Bilac)

"Un bambino è come il cristallo e come la cera. Qualsiasi shock, per quanto morbido sia
lo scuote e lo smuove, vibra di molecola in molecola, di atomo in atomo, e qualsiasi impressione,
buona o cattiva, si registra in lui in modo profondo e indelebile." (Olavo Bilac, giornalista e poeta brasiliano)

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Mãe da Barriga, Mãe do Coração

Foto: Facebook

E-mail de uma mãe:

"Vc abriu o seu coração e agora vou abrir o meu.
Eu só entendi a maternidade depois que fui mãe. E fui mãe das duas formas.

Me perguntaram um dia desses se era a mesma coisa, um filho biológico de um adotivo. Eu dei a resposta padrão: “é claro”. Mas claro que não é. O processo da adoção trás emoções que nenhuma gravidez traria. Conhecer a criança, ir buscar, o primeiro dia, este amor, a biologia não explica.

A gravidez também traz emoções que a adoção não traz. O “se sentir normal”, ter um filho com a cara do marido, saber que você espera 9 meses e não tem fila, o mexer na barriga. Mas é só. A partir do momento que a criança chega nos braços fica tudo igual.

Quando leozinho veio para meus braços pela primeira vez foi tão emocionante quanto quando Isabelle veio pra meus braços. E a partir daí, eu sou mãe, sou responsável por aquela criatura, não importa de onde ela veio.

C., quando leio mensagens como a sua, eu me pergunto se estou agindo certo com o meu filho. Não sei se você sabe, tenho 2 filhos. O mais velho, Leozinho, adotivo, de quase 3 anos e a mais nova Isabelle, biológica de 3 meses. Não quero nunca que ele pense que não o amo de verdade, ou que amo mais a irmã. Comecei a refletir nestas coisas depois que uma amiga descobriu que era filha adotiva. Ela ficou tão revoltada, e eu não conseguia entender o motivo, porque ela era tão amada que nunca desconfiou e levou um susto quando soube. Mas só você e ela sabem dizer o que se passa dentro de vocês.

Não acredito em “o sangue fala”, se não pessoas boas não gerariam filhos bandidos, não acredito em “índole do pai bandido”, porque eu acredito que o amor e a educação mudam qualquer pessoa. Eu só quero é que meu filho nunca na vida dele duvide do meu amor por ele.

Quantas vezes chorei sozinha depois que disciplinei Leozinho? Quantas vezes achei que fui dura demais, ou orei pra Deus curar ele de alguma febre? E pedi a Deus pra ficar doente no lugar dele?

Eu me preocupo não porque espero qualquer tipo de gratidão, jamais, mas porque quero que ele curta a vida dele, com a cabeça sempre erguida, porque ele é um menino maravilhoso, carinhoso e vai ser um homem maravilhoso, eu tenho certeza. Não quero que ele fique sofrendo com algo que não é verdade. Eu o amo demais.

Então, se vc puder falar mais sobre este seu sentimento, vai me ajudar muito.

Só pra encerrar, depois de ter passado por uma gravidez recente, sabe qual é a única coisa que eu senti falta por não ter parido Leozinho? Senti falta dos 13 meses que meu filho esteve longe de mim (9 de gestação da biológica + 4 de nascido) que eu não sei como o trataram, se o alimentaram, se ele precisou de mim e eu não estive lá. Foi a única coisa que dei falta na minha “gestação” dele."

Bia

********************

"Eu sentia um chamado, sabia que ele me aguardava. A busca por meu filho foi além de tentativas de engravidar. Foi na adoção que o encontrei. E esta certeza incontestável, inclusive juridicamente, de que ele é meu filho, filho da minha alma, do meu coração, foi o que me inpulsionou a prosseguir na busca. Só mesmo o amor de uma mãe e de seu filho pode explicar os laços que os unem."

Bia Maia

Blog de Bia:
http://maedabarrigamaedocoracao.blogspot.com/

**********************

O e-mail acima foi um dos mais lindos que já li.

Observação: O e-mail foi cedido por Bia, a autora, amiga e companheira de adoção.
Disse que eu poderia preservar os nomes dela e dos filhos e que poderia postar fotos deles. Neste post não usei fotos da família dela.

Obrigada sempre Bia, pelo carinho, confiança, amizade e parabéns pela linda mãe que você é, e teve o presente de o ser das duas formas.

Por Cintia Liana

2 comentários:

luana disse...

oie meu nome é luana oliveira sou aqui de brasilia,estive lendo esses comentarios e me indentifiquei bastante,em 2002 perdi minha mãe com um problema muito conhecido:morte celebral,foi um dos piores momentos de minha vida,eu não sabia mais o que fazer de minha vida pois ja havia perdido minha vó que praticamente foi minha segunda mãe,que cuidou de mim toda minha infancia.
eu chorava dia e noite sem saber o que fazer,mas foi quando decidi orar a Deus que me ajudasse,eu não sabia o que era aquilo que sentia mais eu procurava em todo mundo uma mãe,eu estava sensivel demais e sofria bastante,mas foi quando pedi a Deus que me fizesse esquecer daquele episodio de minha vida,se possivel passasse aquele sofrimento,ja que não teria nunca mais uma mãe de verdade.
mas foi quando aconteceu algo muito diferente em minha vida,entrei na igreja adventista do setimo dia e passei a dedicar minha vida a Deus,passado alguns anos conheci rosimeri,uma irmã da igreja que sempre ia nos visitar,eu não entendia mas sempre que ela me via ela ficava muito feliz,seu sorriso se espandia ao me ver,foram meses e meses sem entender nada,foi quando ela me convidou para ir na igreja dela,entÃO EU FUI,quando estava voltando sofri um acidente de carro,fui levada ao hospital mais proximo daquele local,derrepente quando estava sendo atendida a rose chega perto de minha maca e me da um beijo na testa e dis:o meu anjinho ta tudo bem?fica calma eu estou aqui pertinho de vc,naquele momento meus olhos e coração fixaram dentro dos olhos dela,eu nunca tinha sentido tanta paz como senti naquele momento,é como se eu estivesse ao lado de minha mae.
foram dias e dias de contato,visitas na igreja,mensagem no orkut,no celular,emfim minha vida passou a mudar completamente,agora eu ja não sentia falta de um abraço de mãe,eu ja não dormia sem dizer boa noite mamae!
hoje ano de 2010 minha vida tem sentido,posso dizer que Deus me deu outra mãe,eu não sei o que é ter um filho mas eu sei de verdade o que é ter uma mãe,hoje eu entendo que o amor vai mais alem do que os laços sanguinos,a ciencia pode sempre me provar que não somos do mesmo sangue mas ela nunca vai consegui esplicar o amor que existe entre nós,eu amo tanto minha mae como se estivesse tomado do leite dela,sinto como se estivesse ficado nove meses na barriga dela,porque o amor é o que nos une é ele quem nos mantem,quero dizer a todos que Deus existe e que ele é perfeito em tudo que faz!!
obrigado!!

Cintia Liana disse...

Luana, que coisa mais linda! Vc sabe o que é um verdadeiro laço de amor.
Quantos anos vc tinha quando sentiu o amor desta nova mãe?
Posso postar esta tua linda história neste blog?
Aguardo resposta.
Um abraço.